segunda-feira, 26 de outubro de 2009

chamamento de Deus


Não me enviou Cristo para batizar, mas para pregar o evangelho- 1 Corintios 1:17.

Paulo declara aqui que o chamado de Deus para nossas vidas é pregar–mos o evangelho. Mas lembre-se do que Paulo entende por “evangelho”, que é a realidade da redenção em nosso Senhor Jesus Cristo. Temos a tendência de fazer da santificação a meta final da nossa pregação. Paulo usa a experiência pessoal do crente, o guia de ilustração, nunca com um objetivo em se mesmo.
Ele se entregou como obreiro aprovado por Deus, nunca pensando em se próprio, Ele não tinha interesse doentio em seu próprio caráter. A visão de Paulo era sempre proclamar o evangelho de Deus, independente do que poderia acontecer com a vida dele. Ele estava disposto de fazer o ide de Cristo. Para Paulo a proclamação do evangelho era publico aos não convertidos. Quando ele proclamava o evangelho, Deus trazia revelação da mensagem, e pessoas eram transformadas. O interesse de Paulo era ministrar e no coração do povo, sobre a redenção e o propósito da morte de Cristo para o mundo.
Enquanto estivermos com os olhos voltados para nossa própria pureza pessoal, nunca nos aproximaremos da realidade da redenção. Alguns obreiros fracassam porque seu maior anseio e sua pureza pessoal não é Deus. Não existe nenhum texto que nos mande pregar salvação ou santificação. Somos enviados para apresentar Jesus Cristo ( João 12.32). Dizer que Jesus Cristo sofreu na redenção para tornar-me santo. Jesus Cristo sofreu na redenção para redimir o mundo inteiro e coloca-lo integro e reabilitado perante o trono de Deus.
O fato é que a redenção pode ser experimentada por todos nos e uma ilustração do poder da realidade dela, mas não e essa a finalidade da redenção. Se Deus fosse humano, como haveria de sentir-se desalentado e cansado dos constantes pedidos que fazemos pela nossa salvação e santificação. Abusamos de suas energias de manhã a noite, pedindo as coisas de nosso próprio interesse, algo de que eu quero ser liberto.
Quando percebemos a realidade fundamental do evangelho, nunca mais voltamos a incomodar a Deus com pequenas lamurias pessoal. O anseio da vida de Paulo era proclamar o evangelho de Deus. Ele aceitava os angustiados, tristes, doentes e atribulados, apenas por uma razão simples: porque estes mantinham inabalável devoção do evangelho.
Que o Senhor vos abençoe.
Miss. Souza Maria

paternidade de Deus



Deus como Pai

Cada um de nós traz uma idéia de Deus , de como ele é , como ele reage a nossos atos. Isso é normal antes da conversão, pois vemos deus como alguém distante e não temos comunhão com ele.

Depois que nos convertemos isso muda. Passamos ater comunhão com Deus no nosso espírito e não fazemos mais questão de saber com que Ele se parece.

A idéia que fazemos de Deus é influenciada e está muito ligada com o relacionamento que temos com nosso pai natural.

Tudo na terra representa algo do céu. Um dia tudo que é figura passará e só o que é celestial permanecerá.

• Deus é o Pai. Na terra quem representa Deus é o pai.
• Cristo é o Cabeça. Na terra quem representa Cristo é o marido.
• A família na terra representa a família no céu.

O ideal é que o filho olhando para o seu pai identifique as qualidades de Deus.

• Amor
• Misericórdia
• Disciplina
• Atenção

Mas nem sempre isso é possível. Para uma pessoa que teve um pai duro, bravo, violento, quando falamos que Deus é Pai ela faz a imagem de um Deus violento.

"Se Deus é Pai como o meu pai , eu não quero nada com ele".

O nosso entendimento foi danificado pelo pecado. Muitas vezes não conseguimos compreender as coisas de maneira correta sem deturpar e confundir o sentido original.

Quantos de nós cremos que Deus é amor ?
Quantos de nós cremos que Deus é justo ?
Nós confiamos plenamente em Deus ?

Quando entendemos que Deus é pai e é um pai tremendamente amoroso, que se preocupa tremendamente conosco, este quadro muda.


Idéias erradas de Deus

Deus legalista

• Não cumpriu a lei à Punição.
• Fica sempre a espera que nos desviemos para nos pegar.
• Se agir certo reverte em bem.
• Se agir errado reverte em mau.
• Fica baseado nos próprios méritos e não desfruta da graça de Deus.

Deus detetive

• Está sempre espreitando tudo.
• Fica de olho em tudo que você faz.
• Associa a presença de deus com a presença de pessoas.
• Quando está sozinho parece que Deus não está vendo.

Deus filósofo

• Fica distante , só pensando. ( inativo )
• Preocupado com as grandes coisas.
• Fazer chover , funcionar o universo, etc.
• É um Deus frio e distante.

Deus carrasco

• Está sempre esperando um erro para nos castigar.
• Quando acontece algo errado diz : "É castigo de Deus".
• Parece que Deus tem prazer em castigar.

Deus bonachão

Fica lá sentado, só ocupando lugar.
Não se importa com nada
Aceita tudo

Estes conceitos errados nos incapacitam de crer plenamente em Deus e de se entregar completamente a Ele.


Como é o Deus da Bíblia ?

Jo 14:4-10
"E para onde eu vou vós conheceis o caminho. Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho? Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto. Disse-lhe Felipe: Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta. Respondeu-lhe Jesus: Há tanto tempo que estou convosco, e ainda não me conheces, Felipe? Quem me viu a mim, viu o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo, não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, é quem faz as suas obras."

• Jesus está dizendo : Eu sou a imagem do Pai.
• Se conhecermos Jesus conheceremos o Pai.


I Jo 1:1-3
"O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam, a respeito do Verbo da vida (pois a vida foi manifestada, e nós a temos visto, e dela testificamos, e vos anunciamos a vida eterna, que estava com o Pai, e a nós foi manifestada); sim, o que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que vós também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo."

• A vida eterna estava com o Pai foi manifestada através de Jesus.
• A nossa comunhão é com o pai e com o filho.



A parábola do pai amoroso

Procura mostrar o amor do pai e não o erro do filho.
Pródigo à que gasta dissolutamente.

Lc 15:11-32

v12
"O mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me toca. Repartiu-lhes, pois, os seus haveres."

Deus não obriga ninguém a servi-lo

v17
"Caindo, porém, em si, disse: Quantos empregados de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!"

Caiu em si
• Quando ele cai na realidade e termina a ilusão.
• Reconheceu seu pecado.
• Reconheceu sua culpa.

v18-19
"Levantar-me-ei, irei ter com meu pai e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados."

Se posiciona
• Se Dispõe a ir concertar seu erro.
• Era melhor ser servo do pai do que estar lá fora.

v20
"Levantou-se, pois, e foi para seu pai. Estando ele ainda longe, seu pai o viu, encheu-se de compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou."

A reação do pai
• O pai o viu de longe ( quando damos 1 passo na direção de Deus, ele já deu 1000 em nossa direção )
• Se moveu de íntima compaixão.
• O abraçou e o beijou.
• Isso mostra o amor de Deus como pai.
• Não lhe lançou no rosto o pecado nem o condenou.

v22-24
"Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa, e vesti-lha, e ponde-lhe um anel no dedo e alparcas nos pés; trazei também o bezerro, cevado e matai-o; comamos, e regozijemo-nos, porque este meu filho estava morto, e reviveu; tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a regozijar-se."

O pai o recebe como filho
• Deus nos recebe da maneira que estamos.
• Não espera por uma mudança nossa para nos aceitar.
• Ele nos recebe e Ele mesmo opera em nós atransformação.

v25-32
"Ora, o seu filho mais velho estava no campo; e quando voltava, ao aproximar-se de casa, ouviu a música e as danças; e chegando um dos servos, perguntou-lhe que era aquilo. Respondeu-lhe este: Chegou teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado, porque o recebeu são e salvo. Mas ele se indignou e não queria entrar. Saiu então o pai e instava com ele. Ele, porém, respondeu ao pai: Eis que há tantos anos te sirvo, e nunca transgredi um mandamento teu; contudo nunca me deste um cabrito para eu me regozijar com meus amigos; vindo, porém, este teu filho, que desperdiçou os teus bens com as meretrizes, mataste-lhe o bezerro cevado. Replicou-lhe o pai: Filho, tu sempre estás comigo, e tudo o que é meu é teu; era justo, porém, regozijarmo-nos e alegramo-nos, porque este teu irmão estava morto, e reviveu; tinha-se perdido, e foi achado."

A reação do filho mais velho.
• Não conhecia verdadeiramente o pai.
• Não tinha um relacionamento profundo com o pai.
• Teve ciúme, ficou magoado ( "...esse teu filho..." )
• Mesmo não tendo saído da casa do pai não conhecia o coração do pai.
• Era cheio de justiça própria

Esta parábola mostra o amor do pai pelo que saiu e pelo que ficou. Mostra a bondade de Deus Pai, que quer Ter comunhão com seus filhos.

Gl 4:6
"E, porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai."

Rm 8:15
"Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes com temor, mas recebestes o espírito de adoção, pelo qual clamamos: Aba, Pai!"

Aba Pai à Papai , paizinho.

Ø Deus nos recebe como filhos.Algumas pessoas para compreender isso precisam perdoar seus pais, sabendo que se eles tivessem conhecido o Pai do céu seriam diferentes.

( Se isso não acontecer acabaremos fazendo com nossos filhos da mesma forma que nossos fizeram conosco ) .

Dener