sexta-feira, 16 de março de 2012

Prumo de Deus



O PRUMO DE DEUS

Texto chave: AMÓS 7: 7 E 8
    Na sua forma mais simples, o prumo é uma peça de metal suspensa por um fio. É um instrumento que os pedreiros utilizam para alinhar paredes e muros, de forma que não fiquem tortos, fazendo-os perfeitamente verticais. Devido à força da gravidade, o peso do metal pende sempre para o centro da terra.
 
    Para os construtores, esse instrumento simples, mas muito importante, tem um valor incalculável. Eles sabem que, para a construção sair firme e segura, as paredes e vigas precisam estar perfeitamente na vertical, alinhadas pelo PRUMO. Se não houver cuidado a construção pode desabar!
 
    Deus também possui um prumo com o qual mede a nossa vida, este prumo é a Sua Palavra.
 
     Durante o reinado de Uzias, rei de Judá, Israel experimentou uma onda de prosperidade e paz, mas junto a este enriquecimento veio uma onda de injustiça e o povo perdeu o senso de direção dado por Deus (2 Cron.26).            
 
    Então Deus comparou a nação a uma parede fora de prumo, prestes a cair, e para mostrar o quanto ela estava torta, Ele colocou diante do povo o prumo da Lei, era uma advertência de que a qualquer momento a nação poderia ruir, e de que seus inimigos iriam espalhá-los como se fossem tijolos de uma parede desmoronada.
         E na verdade Deus nunca deixou de usar o prumo, Sua palavra, na vida daqueles que chamou para serem o Seu povo. Ainda hoje continua a fazê-lo para que possamos conhecer a verdade e aprender o caminho que nos conduz a uma vida de firmeza e estabilidade.
    Foi neste contexto que Deus levanta o profeta Amós (cujo nome significa "carregar um peso"), era um pastor de ovelhas e colhedor de figos, este foi levantado para apontar a corrupção social e religiosa existente. Deus usou a figura do prumo para exortar o povo.
Entendemos que Deus nos dotou de uma identidade pessoal, e para andarmos na identidade correta precisamos conhecer a resposta para algumas perguntas importantes:
• Quem somos?
• De onde viemos?
• Para onde estamos indo?
• O que tem valor para mim?
    Durante toda a nossa vida somos afetados pelas experiências que possuímos e vivenciamos desde a nossa tenra idade, ou até mesmo desde o período intra-uterino. Estas experiências, boas ou ruins vão ser formadoras e influenciadoras diretas da nossa identidade. Através delas, os tijolos do nosso coração foram erguidos e muitos deles, ou mesmo a sua maioria, não estão retos e ajustados.     
    Através deste estudo, deixaremos Deus nos conduzir a percepção daquilo que precisa ser ajustado em nós através de Seu PRUMO. 
    Cada um dos tijolos tortos que empregamos para construir as paredes do nosso coração constitui um empecilho para que nossa personalidade se desenvolva da maneira como Deus planejou.
    Sendo assim observaremos nossas tendências e identificaremos em nós mesmos a situação da nossa própria vida. Para isso avaliaremos alguns tijolos levantados em nós através do tempo e para que lado eles pendem em suas paredes formadas:
PAREDES DA REJEIÇÃO.
Se uma pessoa sofre rejeição por um prolongado período de tempo, isso pode gerar distorções psicológicas sérias e perigosas.  Vamos analisar alguns dos tijolos decorrentes da rejeição em nossas vidas. Há três áreas onde somos afetados pela rejeição: 
1) EMOÇÕES (ALMA)
2) PENSAMENTOS (INTELECTO)
3) ESPÍRITO
Vamos iniciar avaliando os tijolos que definem a área das emoções (alma):
TRISTEZA: podemos definí-la como  um sentimento de pesar, de infelicidade, demonstração ou causa de sofrimento. É normal uma pessoa ficar triste durante algum tempo por uma perda ou situação de dor, por exemplo. Mas se alguém se mantém assim por períodos prolongados, a tristeza se torna crônica. A Bíblia chama este tipo de tristeza de “veste de espírito angustiado (obscuro, sombrio, fraco)” (Is.61:3). A tristeza é uma emoção que adotamos como forma de reagir a seguidos atos de rejeição ou frustração por parte de alguém que nos é importante ou situação não resolvida. Em momentos de tristeza, precisamos buscar a Deus Pai, nossa verdadeira fonte de consolo em meio ao sofrimento. 
   
 Biblicamente temos uma promessa contra a tristeza: Is.61:3, o Espírito Santo nos envolverá com adoração. Isso significa que temos o remédio contra esse sentimento da alma, nos apossar em fé de sermos envolvidos pela consciência de quem Deus é e como nos ama.
AUTOCOMPAIXÃO: Ter pena de si mesmo. Quanto mais nos entregarmos a esse tipo de atitude, mais nos habituaremos a recorrer a ela nos momentos de adversidade. 
    O que sofre deste sintoma está sempre procurando o consolo dos outros, manipulando-os para que reforcem a sua auto-piedade. Com o passar do tempo, essa pessoa terá um abismo profundo que nada e ninguém preenchem, e ele próprio não consegue encarar seu problema e nem buscar soluções para ele.
 
    Geralmente a pessoa que é dominada por este sentimento tem dificuldade de enxergar e admitir.
 
   
 O remédio bíblico para a autocompaixão é a prática de ações de graça (Cl.2:6 e 7) (gr. gratidão e espírito de generosidade)

AUTODEPRECIAÇÃO: É a atitude de nos voltarmos contra nós mesmos por havermos sofrido ausência ou afirmações negativas que formaram a nossa identidade.
    É um sentimento negativo contra si mesmo. Algumas pessoas experimentam esporadicamente, para outras já se tornou crônico e distorce sua personalidade.
    Este sintoma é uma das tarefas mais difíceis para um conselheiro na ajuda das vítimas deste mal. Ex. muitas pessoas que são abusadas sexualmente sofrem deste mal, pois se consideram impuras e culpadas. O caso de incesto (sexo entre familiares), também se constitui uma das principais causas da autodepreciação, pois, como todo o tipo de lascívia, o incesto abala fortemente o senso de valor próprio de quem é vítima dele. A experiência é tão traumática para a vítima que ela passa a abrigar sentimentos de auto-acusação e mágoa de si mesma, além de se sentir traído por um membro de sua própria família, lugar onde deveria se sentir seguro.
    Quando essas emoções não são resolvidas, dão origem à autodepreciação.
   
 O apontamento bíblico para a cura da autodepreciação está em Rm.12:1 a 3: renovação da mente (gr. Restauração e completa mudança do poder de percepção e entendimento). O Senhor nos diz que “não devemos pensar de nós mesmos além do que convêm, antes com moderação (mente saudável ) segundo a medida da fé (convicção que recebemos de quem somos em Deus). Existe um pensamento de Deus acerca de quem você é, e o caminho da cura é buscar na Palavra que pensamentos são esses e em fé recebê-los no seu interior!
DEPRESSÃO: esta é uma moléstia que tem aumentado muito, principalmente entre jovens. A melhor e a mais simples explicação que se pode dar sobre a depressão é que se trata da reação que temos frente a alguma perda sofrida. Inicialmente, os sintomas são: declínio da vitalidade e das energias, tristeza e cansaço. O segundo estágio é o desinteresse pela vida social, afastamento dos relacionamentos e queda das atividades no trabalho e em casa. Dificuldade de concentração, sendo que há um assédio do sentimento de culpa, auto condenação e autodepreciação, então daí pode surgir a insônia. 
         O que muitas vezes ignoramos é que a depressão é basicamente uma mensagem que o nosso organismo nos envia, comunicando que alguma coisa está errada e precisa ser corrigida. O medicamento pode alterar o nosso humor, mas não afeta a nossa alma. Na maioria dos casos, o que precisa ocorrer é a cura da ferida causadora do mal.   Alguns dos distúrbios orgânicos ou hereditários que afetam o humor podem ser causados pela carência de substâncias bioquímicas, que nestes casos precisam ser repostas no organismo, contudo essa carência é responsável por apenas 5% dos distúrbios mentais em nossos dias. A depressão pode ser causada por uma complexa associação de fatores físicos e mentais. Contudo quem ignora a conduta moral (alma) do paciente, não está fazendo uma análise completa dos fatos. 

APATIA: é a fase inicial do processo de perda pelo interesse pela vida. É uma existência sem emoção, sem sentimentos, mente indolente. Esse horrível elixir do diabo pode ser ocasionado por desilusões e adversidades. A apatia é causada por sentimentos e idéias de rejeição e fracasso. A repetição contínua de fatos que causam dor podem levar a um processo de apatia, que trará consigo resultados trágicos, caso não haja intervenção. A perda do interesse pela vida começa afetando a nossa mente, em seguida a nossa alma, nosso físico e por fim o espírito.  A restauração bíblica para essa doença na alma é a própria pessoa de Cristo. Em João 14:6, Ele diz que é o caminho, a verdade e a vida (gr. Estado de vitalidade e animação, plenitude, vida real e genuína, ativa e vigorosa). Essa vida vai alem da visão física, ela alcança o interior.  Em João 6:35 , Ele afirma ser o pão da vida, aquele que vem a Ele (se apresenta e deixa-se ser influenciado por ) não terá fome. 
Vamos avaliar agora os tijolos que definem a área dos pensamentos (mente):

Há uma afirmação bíblica que às vezes passa por nós de forma imperceptível no seu poder e autoridade. O Senhor disse: “Nós, porém, temos a mente de Cristo!”(2 Cor.2:16) 
O que isso significa? Recebemos da parte de Deus uma capacidade de compreendermos as verdades espirituais, o poder de ponderar e julgar sobriamente e não nos apossamos disse em fé, antes ignoramos tal princípio e deixamos que circunstâncias e pessoas ditem quem somos nós! Necessitamos voltar nossa mente para as profundezas de Deus e recebermos Dele a verdade sobre nós mesmos. 

COMPLEXO DE INFERIORIDADE: aqueles que dizem: “Você não é melhor do que eu”, geralmente na verdade não pensam assim, se pensassem não diriam. “Um cão São Bernardo não diria isso a um cachorrinho de pelúcia, um filósofo tampouco o diria a um iletrado... o que na verdade esta afirmação externa (traz para fora) é aquela incômoda, dolorosa e inquietante sensação de que se é inferior.”C.S. Lewis.
A área dos pensamentos é uma das principais que o diabo manipula. O complexo de inferioridade abala profundamente a mente do indivíduo e paralisa sua capacidade de pensar com clareza. Quem sofre atos freqüentes de rejeição acaba se convencendo de que é inferior aos outros. E assim que chega a esta conclusão começa a elaborar pensamentos que se justifiquem: “Não sou capaz. As pessoas não me amam. Isso em mim é horrível! Sou baixo. Meu nariz é muito grande. Sou muito burro, etc...” Todos nós que nos convencemos de que somos inferiores aos outros, seja por que razão for, tornamo-nos presas fáceis do diabo, que passa a nos intimidar. O CI e a incredulidade andam de mãos dadas para destruir nossa confiança. Os dois juntos nos roubam as vitórias que poderíamos obter pela fé.

Biblicamente, precisamos ser tratados na visão que Deus possui sobre nós e permitir que sejamos ajustados ao Prumo Divino nesse aspecto.  Jeremias 29:11 afirma que Ele possui acerca de nós “pensamentos de paz” (idéias de nos fazer completos em todos os aspectos). O Salmo 139 é uma carta de amor de Deus a nós, que vem para combater tudo o que pensamos de errado acerca de nós mesmos, pq mesmo nos esquadrinhando profundamente, Deus afirma que não abrirá mão da nossa presença!  
 INSEGURANÇA:é a falta do sentimento de segurança, desproteção, carência de afirmação que leva à preocupação. A insegurança é causada por males modernos como famílias divididas ou disfuncionais (pai ou mãe com vícios, cenas de violência, etc...). é uma consequência direta de carência afetiva e dos atos de rejeição sofridos na infância. Há relatos de que cobranças excessivas sobre o ser humano gerará nele o sentimento de insegurança quanto à sua capacidade. 
Por outro lado, o senso de segurança acha-se diretamente relacionado com o amor. Pesquisas mostram que crianças criadas num ambiente sem amor, geradas numa gravidez indesejada, filhos rejeitados por não serem do sexo que os pais queriam, pais excessivamente preocupados só com seus próprios interesses, pais autoritários e exigentes que dão aos filhos pouco carinho e raras demonstrações de amor vão provocar na criança um forte senso de insegurança. Observamos na Palavra que Deus tem uma séria preocupação em afirmar-nos de diferentes formas, demonstrando-nos o Seu interesse e amor por nós. Tome porções dessas palavras e comece a proclamá-las para si mesmo. Ela não voltará vazia.

SENSO DE INAPTIDÃO (FRACASSO): um dos mais sérios problemas de quem sofre rejeição é o de passar a considerar-se incapaz. O indivíduo sofre de um constante senso de fracasso ou inaptidão: “Não dou para nada, tudo que faço sai errado...” Muitas pessoas vivem obcecadas pelo medo de errar, e quando erram, não conseguem se reerguer e tirarem lições daquela experiência negativa. Elas se desmoronam, já que foram condicionadas a crerem em mensagens que lhes foi comunicada na infância. Se experimentamos fracasso e fomos rejeitados, isso nos acompanhará e começamos a acreditar que nem mesmo a graça de Deus pode nos alcançar.
SENTIMENTO DE CULPA: todos nós possuímos um alarme interior que nos poupa de sofrimentos e nos pode livrar até da morte. Ele pode acender a qualquer momento e cabe a nós decidirmos qual  atitude adotaremos em relação a ele. Há dois aspectos dignos de atenção nesse tijolo, precisamos estar sensíveis porque segunda a Palavra, Deus pode usar a nossa consciência para nos orientar acerca do certo e do errado (Hb.13:18).
Se o nosso sentimento de culpa for dirigido pela pessoa De Deus e avaliado pelo crivo de Sua Palavra, então ele se torna  necessário e abençoador para as correções diárias da nossa vida. No entanto, se é baseado em conceitos humanos que nos foi ensinado ou distorcido, ele se torna uma arma destrutiva e ameaçadora que impede-nos de experimentarmos o perdão e a graça de Deus, tornando-nos pessoas que também não estendem esta graça e perdão aos outros e nem a nós mesmos.
O remédio bíblico para o sentimento de culpa é termos a nossa consciência afetada por Cristo e pelos valores contidos em Sua Palavra . 1 Tm.1:18 e 19. 
 Vamos avaliar agora os tijolos que definem a área do espírito: 
 Em Provérbios 20:27, lemos  que “O espírito (lugar da revelação e comunhão de Deus com o homem) do homem é a lâmpada do Senhor, a qual esquadrinha todo o mais íntimo do corpo.” A figura da lâmpada aqui é aquilo que mostra o espaço que Deus ocupa no homem. Quando alguém escolhe o prumo da rejeição em vez do prumo de Deus, começa a viver em posição inclinada, e isso afeta negativamente seu espírito. Então surgem tijolos perigosos. Tais características estão intimamente relacionadas com a visão distorcida de Deus!
AMORTECIMENTO:a pessoa sente-se vulnerável ao pecado, sem autoridade, sem poder, sem expressão. Aqui se torna extremamente aberta a qualquer sugestão maligna, correndo o perigo de apagar o espírito de Deus. Em Romanos 8:10 encontramos um principio curador para esse mal: Cristo habitando em nós nos traz condição de vivermos uma vida ativa e vigorosa para Deus!
AGONIA: O espírito do homem foi criado para viver em íntima comunhão com o Espírito de Deus, quando o quadro da rejeição atinge o espírito, começa então uma situação onde tal pessoa agoniza-se diante das situações, desacreditando na presença de Deus em si mesma e no Seu interesse por ela. A agonia tem o poder de gerar em nós um questionamento da Paternidade Divina. Em Romanos 8:16, a nossa filiação é confirmada no nosso espírito pelo próprio Espírito Santo, por isso devemos em fé, nos apossar de tal verdade e aplicá-la a nossa vida.
EXTINÇÃO(MORTE): A rejeição vai acentuando o desmotivar pela vida na pessoa. O processo vai se tornando cada vez mais profundo e delicado, então a esperança é abolida dando lugar a pensamentos de morte. 
É no espírito que acontece a comunhão (1 Cor.6:17), por isso, quando afetado, perdemos o sentido da vida, uma vez que fomos criados para a comunhão com Cristo.
DESÂNIMO: Aqui temos uma ilustração. O diabo montou uma banca no mercado para vender suas mercadorias. O artigo de preço mais caro era um instrumento de aparência bem estranha. Alguém lhe perguntou para que servia aquilo, e ele respondeu:
- É o desânimo, minha arma mais eficiente. Vou trabalhando numa pessoa com esse elemento até que ela chegue ao desespero.
E rindo ele continuou a revelar sua estratégia operacional. “Assim que ela cai em desespero, não é mais páreo para mim”. Torna-se minha escrava e prisioneira. E como me sinto feliz quando deixo os crentes desesperados com seu ministério ou com sua família, seus problemas financeiros, com tudo enfim! Depois basta um empurrãozinho no momento certo, e a oposição que eles fazem ao meu reino termina para sempre. 
 
Por algumas vezes, o apóstolo Paulo termina suas cartas com a seguinte frase: “A graça do nosso Senhor Jesus Cristo seja com o vosso espírito”.  Quando avaliamos essa ministração, entendemos aqui o significado da palavra graça é: aquilo que dá alegria, prazer e condição espiritual de avançar! Seja para você hoje essa verdadeira e completa afirmação!
  DESESPERO: aflição que é externada fisicamente e emocionalmente. No desespero o homem não consegue mais esperar em Deus. Nesse ponto, perde-se o fio da comunicação. A palavra de Deus afirma em 2 Tm.1:7 que “Deus não nos tem dado espírito de covardia, mas de poder, de amor e de moderação” , isso significa que não há mais lugar para o medo em nós. 
Somos conduzidos a Deus em Cristo com o espírito vivificado (1 Pd.3:18), ou seja, em Cristo o nosso espírito tornou a viver, foi desperto, revigorado e pronto para crescer!!! Essa verdade constitui-se num forte principio contra o tijolo do desespero.
 Finalmente, o último degrau da rejeição é o SUICÍDIO. A pessoa que sofre da rejeição sempre terá tendências de fazer o mal contra si mesma.  
PAREDES DA REBELIÃO

Vamos passar a analisar a parede da rebelião, tijolo por tijolo. Analise e assinale todos os tijolos que fazem parte da sua personalidade. Como na rejeição, eles se manifestam em três áreas: 
1) EMOÇÕES
2) PENSAMENTOS (INTELECTO)
3) ESPÍRITO
 
Avaliando as emoções temos:
AGRESSIVIDADE: às vezes a simples lembrança de algo que nos foi feito e nos machucou vem a tona sob a forma de hostilidade manifesta em atitudes ou palavras, que geralmente nos trará espanto ao percebermos o que estava dentro de nós mesmos. A raiva pode ser exteriorizada de maneira positiva, mas quando isto não acontece o extravasar da agressividade pode ser muito perigoso. Se uma pessoa é continuamente magoada, sua raiva será contínua.
    Quem vive exasperado (abrigando sentimentos de raiva), provavelmente abriga algum conflito interno não resolvido ou uma mágoa profunda ainda não curada e quando um indivíduo não encontra meios de externar essa raiva de forma aceitável, ela se aprofunda, esse processo pode gerar um comportamento instável, primeiro ele se controla excessivamente, depois tem fortes explosões de cólera. Nesses casos, as emoções podem acumular-se de tal maneira que a pessoa ou se sente profundamente deprimida ou então abriga uma raiva explosiva, a única forma de extravasamento que conhece.  Quando alguém insiste em reprimir continuamente sentimentos dolorosos, eles poderão manifestar-se mais tarde sob forma de doenças mentais ou distúrbios emocionais.
   
 A palavra de Deus em Efésios 4:29 a 32 é clara acerca dessa atitude, e estabelece o princípio do perdão como o prumo nessa situação.
PRESUNÇÃO: qualidade de quem é indiferente aos outros achando-se melhor e num alto grau de vaidade pessoal e egocentrismo.
    O presunçoso geralmente enfrenta o problema da solidão, todos os que poderiam ser seus amigos se mantêm distantes devido à sua atitude de desdém ou aos comentários depreciativos que faz. Esta atitude de julgar-se superior afasta as pessoas. O presunçoso procura aumentar seu senso de valor próprio às custas de outros, e assim perde a companhia deles.
    A presunção manifesta-se de forma ativa (clara e visível) ou passiva (interior e escondida).
Se olharmos com cuidado vamos observar em 2 Cor.10:5 que a altivez ou presunção impedem a revelação de Deus na vida daquele que a possui, e em Pv.16:18 aponta-a como o que antecede a queda!
SOFISTICAÇÃO: deriva do termo “sofisma” que significa alterar alguém ou alguma coisa a ponto de privá-la de sua simplicidade com o objetivo de enganar. Estas pessoas que parecem ser altamente sofisticadas na verdade são artificiais e falsas, dão a impressão de ser equilibradas e tranqüilas, procuram manter um ar de independência e autoconfiança, tentando mostrar que tudo está sob controle, no fundo, porém são inseguras, sofrem de inferioridade e diversos tipos de fobias.
    A sofisticação anda de braços dados com a religiosidade, dando uma aparência de vida, quando na verdade está morto. Como ela lida com o que é mentiroso e enganador, torna-se o contrário da verdade.
   
 Jesus condenou abertamente em Lc.11:37 a 44 a sofisticação dos fariseus, e essa palavra continua sendo contemporânea e real a nós.  Todos os valores daqueles que estão edificados pela sofisticação são afetados por esse tijolo.
INCONSTÂNCIA: é muito normal experimentarmos pequenas variações de humor diante de conflitos ou pressões. As crises que nos ocorrem são como um quebra-molas numa estrada. E do mesmo modo como os amortecedores do carro fazem o movimento de molejo, assim também nosso humor sobe e desce. Isso é  normal. E muitas vezes vamos da depressão para a exultação (euforia) com muita facilidade e vivemos uma oscilação agitada entre estes dois estados.
    Se essas oscilações de humor se agravarem muito podem causar um colapso do controle emocional, que é chamado de psicose.
    Durante o processo da inconstância, a alma começa a experimentar um vai e vem emocional, um estado de desassossego e entra em desequilíbrio.
   
 A inconstância gera infidelidade a Deus (Sl.78:1 a 8) e os nossos relacionamentos são afetados por ela (Tg.1:1 a 8)
Vamos avaliar os tiljolos que definem a área dos pensamentos:
ESPÍRITO COMPETITIVO: a principal característica desse tijolo são as pessoas que trabalham para alcançar a admiração dos outros. Existia um certo homem  que dava a impressão de estar no auge da sua vida e ministério, de achar-se muito bem ajustado, mas certo dia quando mencionou o tempo, a energia e o esforço que dedicara ao serviço cristão começou a chorar. Sentia-se exausto, à beira de um colapso nervoso e percebia que em quase tudo o que fizera tivera o objetivo apenas de conquistar a admiração das pessoas e até de Deus. Como chegara a este ponto?
    Como muitas pessoas, ele fora vítima de uma criação errada, só seria amado e recebia demonstrações de apreço quando procedia corretamente, esse tipo de fortaleza torna-se a base do espírito competitivo. O amor de seus pais era condicionado, estavam sempre exigindo que ele atingisse certos padrões, como por exemplo tirar só boas notas na escola e ser o melhor em tudo o que fizesse.            

 Contudo, mesmo quando seu desempenho era o melhor possível, eles ainda o criticavam muito e as demonstrações de apreço eram muito raras. Ao incentivá-lo, deixavam sempre claro que ele poderia Ter feito melhor. O conceito que se formou dentro dele foi o de que sem um bom desempenho em tudo não seria amado.  É por causa deste tipo de criação que muitos adultos vivem tentando aprimorar-se na vida apenas para receber a aprovação e o amor dos outros, e agem assim até com Deus, trabalham para Ele no desejo de conquistar um amor já plena e liberalmente oferecido ao homem, mas que eles ainda não se apropriaram. A mais grave conseqüência é a falta da revelação da Graça de Deus, o apropriar-se do amor pela graça.
É muito importante que ofereçamos demonstrações de amor aos nossos filhos nos momentos em que eles não tiverem fazendo nada de especial, quando estiverem sentados no chão, montando seus brinquedos, lendo, ou assistindo TV, então devemos abraçá-los  e falar o quanto são especiais e amados por nós. Quando se tornarem adultos compreenderão que Deus os ama, não por aquilo que fazem, mas por aquilo que são!
POSIÇÀO DE DOMÍNIO: é um tijolo que trabalha contra a submissão. A submissão é a atitude voluntária baseada no amor. Pessoas que foram feridas de forma rígida com suas figuras de autoridade e pendem pra rebelião tendem a detestarem toda e qualquer liderança sobre si. Correm para o domínio como uma forma de não sentirem a dor repetitiva do abuso de autoridade.
No aspecto familiar, muitas mulheres estão assumindo o papel de liderança no lar, passando a dominar todo o relacionamento conjugal. O que vem provocando esta mudança na família? Essa dominação feminina é fruto de sentimentos de insegurança, que por sua vez são causados por carência afetiva. Os maridos não sabem como amar as suas esposas, têm desejo por ela, mas parecem não conseguir diferenciar a lascívia do amor. Quando o marido se relaciona com a esposa só na base sexual, ela se sente insegura e usada. O resultado é um forte sentimento de frustração que pode até causar a frigidez. Numa tentativa de evitar o problema, ela procura manipular o cônjuge de forma que ele atenda à sua necessidade de ser amada. Quase sempre essas estratégias de dominação podem destruir o relacionamento do casal e é isso que ocorre em muitas famílias hoje.

 INFLEXIBILIDADE: qualidade do que é duro, não flexível, que não se dobra. Este tipo de pessoa não admite que outras pessoas tenham opiniões contrárias às suas, isso o faz pensar que seria o mesmo que admitir que esteja errado, o que deprecia bastante seu senso de valor próprio. Pessoas assim, em sua maioria, foram criadas num ambiente duro e legalista, onde os conceitos foram inseridos para não serem mudados.
   
 Precisamos nos lembrar que nossos valores não são absolutos, apenas os de Deus são, portanto precisamos nos dobrar ao que Ele quer imprimir dentro de nós. A inflexibilidade impede essa rendição.
Seja sincero consigo mesmo e avalie como tem sido a sua reação quando as estruturas de sua vida se modificam ou são removidas?
TEIMOSIA: também chamado de obstinação, este é um dos maiores problemas humanos para Deus. Muitas vezes a teimosia tem origem na insegurança que nos domina ao depararmos com situações desconhecidas. O resultado é que não confiamos em Deus e deixamos de lhe obedecer. A teimosia também pode ser fruto de hábitos que formamos no decorrer de certo período de tempo, atitudes que tomamos com todo o tipo de figura de autoridade porque fomos abusados neste aspecto.
O Salmo 86: 10 a 16 apontam a maneira com a qual Deus trabalhará com o teimoso, entregando-o ao seu próprio coração.
RESISTÊNCIA AO APRENDIZADO: muitas pessoas têm a sua identidade pessoal baseada no seu conhecimento pessoal e relutam em admitir o aprender de um fato novo e quando enfrentam um problema, em vez de procurarem tirar dele alguma lição e modificarem o que for necessário, entram numa terrível crise de identidade. A Bíblia diz que nada pode nos separar do amor de Cristo, é o amor e não o conhecimento que nos ajuda a aprender uns com os outros. Através do amor, podemos comunicar verdades uns para os outros e assim crescer até a estatura de Cristo, que é o único que TUDO sabe.
    A
 pior característica desse tijolo é a ausência de um coração ensinável, tal atitude pode nos conduzir a resistirmos até a pessoa do Espírito Santo.
A bíblia nos diz em Pv.11:14 e 15:22 sobre a importância do conselho de pessoas maduras em Deus e que exerçam sobre nós uma espécie de mentoriamento.
Há um caminho singular para o derrubar de tais tijolos em nossos pensamentos através do amor. Observemos o texto de 1 João 4:16 a 21
    O significado exato dessa palavra Amor nesse texto é que Deus possui boa vontade a nosso respeito para nos dar tudo aquilo que nos é necessário para uma vida feliz e os seus banquetes alcançarão a nossa vida. Banquetes de amor.

Vs.16 - E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele.
• Conhecer e crer – entender e depositar confiança total.
• Permanece no amor, permanece em Deus – ser sustentado por esse amor, não procurando outros meios, será sustentado pelo próprio Deus.
 Vs.17 - Nisto é em nós aperfeiçoado o amor, para que, no Dia do Juízo, mantenhamos confiança; pois, segundo ele é, também nós somos neste mundo.
• Aperfeiçoado – completar o que resta ser feito em nós, executar completamente, acrescentar o que está faltando, a fim de tornar-nos completos.
Vs.18 - No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme não é aperfeiçoado no amor.
• Medo: terror, aquilo que contamina e espalha a outros o medo do nosso coração.
• Perfeito amor – ligado a nossa maturidade interior.

Vs.19 - Nós amamos porque ele nos amou primeiro.
Vs.20 - Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê.
Vs.21 - Ora, temos, da parte dele, este mandamento: que aquele que ama a Deus ame também a seu irmão.
• O amor pelo próximo citado nesses versículos significa: receber com alegria e respeito, acolhendo-o dentro do seu coração, sustentando-o, carregando-o e sendo para ele suporte em suas falhas e necessidades.
Em nossa natureza humana, na medida em que vamos tendo experiências de vida, nossa personalidade vai sendo moldada que nos vai dando formas individuais para cada um.

         E no mundo do qual vivemos hoje é pautada em falsos prumos que nos levam as grandes conseqüências na vida, pois é como uma parede fora de prumo prestes a cair e o quanto ela esta torta, a Palavra nos mostra que somos como casas, são construídas com tijolos de experiências diárias, quando se levanta uma parede é necessário que verifique senão está torta e por isso usamos um instrumento chamado prumo. Mas sentimos a necessidade de felicidade e gozo e por isso construímos paredes que trazem essas sensações para nossa própria satisfação. Através disso muitos usam o prumo da razão para levantar paredes que serão para sua vida e através dessa edificação que são formadas a identidade e personalidade de cada um.

         Mas que por muitas vezes não serem feito com o prumo da Palavra de Deus, trazem prejuízos e angústias e trazem falsas impressões que vão se acumulando até levar as ruínas e destruição.

         Se as paredes da sua casa não estiverem nos prumos da Palavra de Deus, não resistiram às tempestades levando a serem desastrosas, hoje podemos observar que mundo está repleto de desajustes e influências que acabam causando problemas em nossas vidas que nos influenciam em nossa personalidade.

         Se você ler em Ez 18: 2 “... Os pais comeram uvas verdes e os dentes dos filhos é que se embotaram?”. Palavra fala da influencia dos pais na vida dos filhos, pois as uvas verdes falam dos pecados, então se os pais não tiverem uma casa (vida) edificada na Palavra de Deus tendem a transmitir influencias negativas aos filhos.

         Cada tijolo que empregamos para construir as paredes do nosso coração é um empecilho para que nossa personalidade se desenvolva da maneira como Deus planejou.

         Mas os prumos humanos provocam reações para nossa personalidade, pois às vezes temos a necessidade de nos livrar dos males e sofrimentos então começamos a construir paredes ou muros ao nosso redor para uma proteção. As paredes que erguemos fora de prumo ao nosso redor, são o resultado das experiências amargas sofridas ao longo de nossa vida, com o propósito de nos defender dessas agressões Sem saber que na verdade não é dessa proteção que precisamos não precisamos nos esconder do mundo e sim saber conviver nele, pois estamos no mundo, mas não somos do mundo.

         Existem tipos de personalidades como:
Personalidade Cordata – São pessoas eficientes e ativas, prontas a ajudar, porém gostam de estar cercada de pessoas para satisfazer suas carências emocionais, se uma pessoa assim sofrer uma desilusão é capaz de se aprofundar num mar de depressão e rejeição por isso e a partir daí confiar menos nas pessoas.
Personalidade Derrotista – São pessoas que precisam se sentirem úteis e amadas pelos outros. Normalmente dizem coisas negativas. Tipo:
-          Ninguém liga mais pra mim!;
 Nunca vou conseguir nada!;
-          Não dá mais!;
-          Desisto!
Personalidade Competitiva – São pessoas que mais tem no mundo hoje, sempre competindo, sempre querendo ter destaque em todas as suas ações.
Personalidade critica – São pessoas que geralmente manipulam e querem manter as pessoas na linha.

               Mas Deus com sua misericórdia não quer nos deixar desprotegido a mercê de tudo, Ele deseja nos dar um novo muro que é o da Salvação, Através das operações do Espírito Santo para que as paredes tortas, paredes das rejeições e revoltas possam ser demolidas e todo o entulho seja removido para edificação desse muro tão desejado. Precisamos ser curados destas coisas através da renovação da nossa mente e no espírito do nosso entendimentoIsto significa que podemos ser transformados e livres das influências destrutivas tanto do passado quanto do presente.

Esta Obra de edificação terá seqüência durante toda a nossa vida